fbpx
quinta-feira, 30 maio 2024

Vídeo mostra bando com quase 1 milhão de andorinhas-de-dorso-acanelado em rota de migração



Para escapar do inverno, aves viajam da América do Norte para o Hemisfério Sul todos os anos. Viagem pode chegar a 30 mil km, diz biólogo.

Por: Giovanna Adelle, Terra da Gente | Foto: Douglas Fernando Meleti

Vídeo mostra bando com quase 1 milhão de andorinhas-de-dorso-acanelado em rota de migração

Um grande grupo de andorinhas-de-dorso-acanelado (Petrochelidon pyrrhonota) foi registrado no dia 7 de outubro, em Sacramento (MG), durante migração da América do Norte para a América do Sul. O registro foi feito pelo contabilista e observador de aves Douglas Fernando Meleti, que estava na companhia do amigo Lester Scalon.

Douglas conta que, anualmente, nos meses de outubro e novembro, ele e o amigo saem em busca das espécies de caboclinhos que passam pela região de Sacramento, Franca (SP), Serra da Canastra, Delfinópolis (MG), em direção ao Sul do Brasil e países como Argentina e Uruguai. A passagem das aves na região dura em média 20 a 30 dias, e depois retornam só no outro ano.

Naquele sábado, 7 de outubro, eles estavam em Sacramento, em uma área já conhecida como ponto de observação, com campos de capins nativos e de murunduns – vegetação típica do Cerrado que apresenta área plana, onde estão inseridos numerosos microrrelevos.

“Durante a procura, não avistamos os caboclinhos, mas no caminho de volta, ao passar por uma grande área de plantação de cana recém-colhida, vimos grandes manchas escura no solo, de longe. Ao chegar perto, notamos que era um grande bando da andorinha-de-dorso-acanelado”, relata Douglas.

Assista ao vídeo aqui

Bando de andorinhas-de-dorso-acanelado migrando da América do Norte — Foto: Douglas Fernando Meleti

Segundo o contabilista, elas estavam todas pousadas no chão, arrumando as penas, se limpando ou apenas descansando. Ele andou aproximadamente 2 km pela área e a quantidade de andorinhas parecia não terminar. Conversando com colegas especialistas, foi calculado através das imagens, uma média de quase 1 milhão de indivíduos, só naquele local.


Dica: Roteiro de Birdwatching na RPPN da Cachoeira do Cerradão: um refúgio para as aves da Canastra


Grandes distâncias

Segundo o biólogo do Terra da Gente, Luciano Lima, a ave se reproduz na América do Norte – desde o Alasca até o México -, migrando para a América do Sul para fugir do inverno, que além das baixas temperaturas também traz escassez de insetos voadores, que são seu principal alimento.

Uma curiosidade interessante contada por Luciano é que os indivíduos das populações que se reproduzem no Alasca e voam até ao norte da Argentina viajam por cerca de 30 mil km, contando ida e volta, durante sua migração.

Andorinhas-de-dorso-acanelado registradas em Sacramento (MG) — Foto: Douglas Fernando Meleti

No Brasil, a espécie está presente a partir do início de setembro até março, com registros concentrados principalmente na região centro-sul do país.

“Faltam estudos mais detalhados que apontem se o território brasileiro é um destino final da migração da andorinha-de-dorso-acanelado ou se as aves registradas por aqui estão apenas de passagem rumo a regiões mais ao Sul. O norte da Argentina parece ser a principal região de invernada da espécie na América do Sul”, ressalta o biólogo.


Dica: Roteiro de Birdwatching na RPPN da Cachoeira do Cerradão: um refúgio para as aves da Canastra


Ave sociável

Pertencente à família Hirundinidae, a andorinha-de-dorso-acanelado possui quatro subespécies, mede 14 centímetros e pesa de 20 a 28 gramas. Frequenta os mesmos locais e habitats da andorinha-do-barranco (Riparia riparia), em grandes bandos, às vezes associada à andorinha-de-sobre-branco (Tachycineta leucorrhoa) e à andorinha-de-bando (Hirundo rustica).

Se alimenta de insetos, especialmente besouros, também formigas voadoras, vespas e gafanhotos. Com a boca aberta, é capaz de perseguir enxames e pegar os insetos em plano ar.

Andorinhas-de-dorso-acanelado registradas em Sacramento (MG) — Foto: Douglas Fernando Meleti

Sua expectativa de vida costuma ser superior a cinco anos. Como uma espécie sociável, tem a rotina de voar em bandos enormes com centenas de indivíduos e de descansar em fios de energia elétrica.

O período de reprodução vai de abril a agosto, com 4 a 5 ovos por ninhada, incubados por 14 ou 16 dias. Para fazer os ninhos, os grupos organizam colônias em penhascos, desfiladeiros, pontes ou até mesmo edifícios.

Fonte: G1


Dica: Roteiro de Birdwatching na RPPN da Cachoeira do Cerradão: um refúgio para as aves da Canastra


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Posso ajudar?