fbpx
domingo, 23 fevereiro 2020
Inicial / Notícias / Queijo canastra vira referência para turismo e fonte de renda

Queijo canastra vira referência para turismo e fonte de renda



img_1414

HELENICE LAGUARDIA
SÃO ROQUE DE MINAS. A história do queijo canastra remonta ao final do século XVIII e início do século XIX, numa produção de subsistência. Nesses dois séculos, o produto da serra da Canastra e seu terroir próprio resistiu a todas as dificuldades – desde a área de 7.500 km² e a dificuldade de logística em duas rodovias, à pirataria aos entraves da lei. Hoje, os 800 produtores da serra têm o produto artesanal regulamentado com a instrução normativa nº 30/2013 e rastreabilidade.

img_1415
Os produtores se organizaram na Associação dos Produtores de Queijo Canastra (Aprocan), conseguiram R$ 145 mil por ano do Sicoob Saromcred para dar suporte à entidade e financiamento para os produtores na cooperativa de crédito sediada em São Roque de Minas.
Com o novo tempo, os produtores viram a demanda subir. “Existe até fila de espera de 20 dias para o queijo canastra poder ser despachado”, conta o gerente técnico da Aprocan, Paulo de Matos. “Produtores com cem a 120 litros de leite por dia faturam R$ 20 mil por mês (com o queijo). O turismo, que era somente ecológico, hoje tornou-se também gastronômico”, comemora o presidente do Sicoob Saromcred, João Carlos Leite.

img_1416
Matos explica que quanto mais feio, mais saboroso o queijo. Essa característica é encontrada no sítio Bela Vista. “O mofo aconteceu por acaso, mas, por fora e por dentro do queijo, o sabor é diferente”, conta Ivair Oliveira. Em 14,7 hectares, ele fabrica de dez a 12 queijos por dia com sua mulher Lúcia. Depois de fazer o Empretec, do Sebrae, e ingressar na Aprocan, o produtor viu seu faturamento quintuplicar. Há 15 anos na profissão, Ivair passou por dívidas e dificuldades emocionais, mas não desistiu. “Antes, era o queijeiro que colocava o preço: R$ 7 o quilo. Hoje, cobro de R$ 50 a R$ 100, depende da maturação”, diz.

img_1417
O queijo canastra está sempre à mão para o hóspede comer um pedaço no Chapadão da Canastra, que existe há 15 anos em São Roque. Muito comunicativa, a propriedade tem 24 suítes e está em quase 5.000 m². “A taxa média de ocupação é de 80% com turistas de São Paulo, e em segundo lugar, cariocas, por causa do queijo”, diz a hoteleira Renilda Dupim.
Premiação
Vice-líder. O produtor de queijo de São Roque de Minas Guilherme Ferreira ganhou medalha de prata no Mondial du Fromage et des Produits Laitieres em Tours, na França, em julho de 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *