terça-feira, 29 setembro 2020

Parque Nacional da Serra da Canastra tem novo conselho consultivo.



Equipe tomou posse nessa semana; decisão será publica no diário oficial. Grupo discute meios de evitar incêndios no parque em São Roque de Minas.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) entregou, no início desta semana, o termo de posse aos 36 membros no novo Conselho Consultivo da região. A nova equipe será responsável por traçar planejamentos estratégicos de atuações dentro e fora da área do Parque Nacional da Serra da Canastra, sem São Roque de Minas.

A próxima reunião, marcada para agosto, irá estabelecer o plano de ação que envolve o setor turístico e será tratado também das queimadas na região. “Nos aproximamos do período de seca e é fundamental pensarmos em uma forma de evitar o que ocorreu no ano passado”, disse o chefe substituto do local, Vicente Faria.

A diretora da Associação de Turismo da Serra da Canastra, Daniela Labonia, faz parte da equipe do Conselho Consultivo e segundo ela, é fundamental pensar nas questões de relacionamento entre os empresários do ramo turístico, comunidade e o parque. “Temos um parque nacional que fica na nossa cidade e podemos estimar que mais da metade dos moradores não o conhecem. Nesse sentido, precisamos melhorar esse relacionamento. Uma das primeiras medidas será envolver os jovens, que os futuros formadores de opinião, em ações relacionadas à importância do parque. Não só como centro turístico, mas mostrando que esses parque é um patrimônio deles próprios”, disse.

Discussões sobre incêndios são recorrentes e pertinentes à região. Por isso Vicente faria disse que tratar da prevenção e contenção de incêndios é fundamental. A ideia é também fazer adequação da estrutura para visitação à unidade. “Nesse sentido vamos pensar em readequar o quadro de funcionários, onde há um déficit e assim vamos pensar na criação de uma rede de voluntários. A medida não resolve o problema, mas é uma forma de amenizar a falta de profissionais, por um determinado período”, disse.

No parque há várias espécies catalogadas e algumas são encontradas em números expressivos. “Temos por exemplo, o maior número de lobos guarás por quilômetro quadrado. Até agora já foi constatado que no parque há também o maior número de patos mergulhões do Brasil. Nesse sentido, será feito um controle de espécies invasoras, tanto animal quanto vegetal. Por exemplo o porco javali, que representa perigo de degeneração da espécie se por acaso essa espécie cruzar com porcos do mato”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Posso ajudar?