terça-feira, 11 agosto 2020

O Queijo da Canastra



COMPRAR QUEIJO CANASTRA DE PRODUTORES PREMIADOS DA SERRA DA CANASTRA.



O queijo canastra, agora ganha um instrumento importante contra a falsificação, o selo de caseína.

Há mais de 80 anos que a etiqueta de caseína é usada em países da Europa que ganharam fama pela qualidade de queijo, como França e Suiça. Mas, é a primeira vez que a tecnologia é adotada pelos produtores de queijo no Brasil como ferramenta de identificação do produto.

A região da Serra da Canastra tem cerca de 800 produtores artesanais da famosa iguaria, espalhados por sete municípios. Juntos, eles produzem cerca de 576 toneladas de queijo por ano.

O modelo de identificação da origem do conhecido produto está sendo usado por filiados da Associação dos Produtores de Queijo Canastra (Aprocan), sediada no município de São Roque de Minas. A etiqueta feita com a substância comestível traz uma espécie de código de barras com oito dígitos, com a identificação do produtor (tres primeiros dígitos) e dados do produto (últimos cinco dígitos), tais como data de fabricação e local onde foi produzido.

Compre dos produtores afiliados a
APROCAN (Associação dos Produtores de Queijo Canastra)

A Etiqueta

Se o queijo está identificado com a etiqueta, quer dizer que ele foi feito na área delimitada pela Indicação de Procedência Canastra. Ele garante a origem do produto.

Para receber o selo, o queijo tem que obedecer ao modo de produção indicado pelo regulamento de uso. Além disso, o produtor deve estar regularizado pelos órgãos de inspeção.

Ao identificar o queijo da nossa região, o selo da IP dificulta que produtores de outras regiões utilizem o nome Canastra indevidamente.

Para o consumidor, ele é a segurança de um queijo com origem, o que pode ajudar nossos produtores a abrirem novos mercados e garantir uma melhor remuneração. Isso ajuda a manter as nossas famílias no campo, protegendo uma tradição secular.

O produto típico mais importante da região é o queijo Canastra, artesanal e feito de leite cru. Produzido há mais de duzentos anos, ele é primo distante do queijo da Serra da Estrela, de Portugal, trazido pelos imigrantes da época do Ciclo do Ouro. O clima, a altitude, os pastos nativos e as águas da Canastra dão a esse queijo um sabor único: forte, meio picante, denso e encorpado. Desde maio de 2008 o queijo canastra é patrimônio cultural imaterial brasileiro, título concedido pelo IPHAN, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.


Galeria de Fotos

O Café Canastra Velha, localizado no município de São Roque de Minas – MG, possui os mais saborosos queijos canastra, venha tomar um café conosco e experimentar o verdadeiro queijo canastra.




É NOTÍCIA!

Conheça os segredos do queijo canastra, o segundo melhor queijo do mundo.

Patrimônio Cultural, a produção do queijo minas desperta polêmica em documentário Dirigido por Helvécio Ratton, “O Mineiro e o Queijo” ganha força com bons personagens. Veja o trailer do documentário clicando aqui!

Como consumir

O queijo Canastra deve ser consumido curado ou meio curado, com pelo menos uma semana de maturação. Com o passar dos dias, ele adquire uma bela cor dourada e vai enrijecendo de fora para dentro. É boa companhia para uma cerveja gelada, cachaça ou vinho tinto. Também é consumido fresco, com até 4 dias, quando se mostra branco e parecido – e até confundido – com o tradicional queijo Minas industrializado.

Como conservar

O consumidor que levar o queijo para casa deve mantê-lo sempre em local fresco e ventilado. Para que a maturação seja perfeita, o queijo deve descansar sobre um prato ou uma tábua de madeira e ser virado uma vez por dia. O Canastra estraga se ficar fechado mais de um dia em sacos plásticos. Na geladeira, fica ressecado.

Antigamente, devido à precariedade dos transportes, o queijo ficava até 40 dias nas prateleiras dos produtores para depois sair em carros de bois ou no lombo de burros e cavalos para a distribuição. Hoje, o consumo é mais rápido e por isso pouca gente chega a apreciá-lo no ponto certo de maturação.

Onde Encontrar

Em São Roque de Minas, a produção mais confiável sai da Fazenda Agroserra, no km 2 da estrada para o Parque Nacional, e da Fazenda do Zé Mário, no km 4,5 da Estrada da Cachoeira do Cerradão. Na Agroserra, que pertence ao presidente da cooperativa de crédito local, João Carlos Leite, é produzido também o Canastrão, de 7 a 8 quilos. Na Fazenda do Zé Mário, é produzido o Canastrinha, queijo de meio quilo a seiscentos gramas.

Lembre-se que se trata de um produto artesanal, feito de leite cru, que para controle sanitário exige vários cuidados na produção. Por isso, é fundamental o consumidor saber a procedência do queijo. E a melhor dica é procurar os queijos de produtores filiados à Aprocan – Associação dos Produtores de Queijo Canastra. Caso dos dois citados acima. Outros produtores filiados e com queijos premiados em concursos internacionais são:

– Guilherme Ferreira, da Estância Capim Canastra, primeiro a conquistar medalha de prata na França em 2015;
– Ivair Oliveira, também premiado e especialista em queijos com fungo branco.
– Sítio Talismã
– Fazenda Jacob
– Fazenda Capão Grande

Os filiados à Aprocan fornecem um queijo de origem controlada e certificado, com selo de caseína, à prova de falsificação e com a identificação do produtor.
A compra pode ser feita nas fazendas ou em pontos autorizados, filiados à Aprocan como “parceiros guardiões”. Como é o caso da Cafeteria Canastra Velha, ao lado da agência Tamanduá Ecoturismo, e a RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) da Cachoeira do Cerradão.
A Tamanduá Ecoturismo oferece roteiros de meio período que inclui caminhada na trilha da Cachoeira do Cerradão e visita a uma fazenda produtora de queijo. É o roteiro Cachoeira com Queijo.

Mais informações no site da Aprocan:
www.queijodacanastra.com.br



Galeria de Fotos

Fotos: (1) - Luciana Ricardino Grilo / (2) - Anael de Souza


Como é feito

Para produzir um queijo do tamanho tradicional, com peso de cerca de 1 kg e 300 g, são utilizados aproximadamente dez litros de leite.

Depois da ordenha, o leite é colocado num tambor onde recebe o coalho e o “pingo”, uma espécie de fermento líquido, extraído da produção do dia anterior. Depois de algum tempo, o leite talha e é retirado em porções de massa que são espremidas manualmente e colocadas em moldes redondos. Por cima da massa cuidadosamente compactada, vai o sal grosso. Por baixo da forma, o soro escorre finalizando um processo que dura 24 horas. Só então o queijo sai dos moldes e vai para uma prateleira arejada. Com exceção da ordenha, todo o ritual acontece na chamada “casinha de queijo”.

A maioria dos fazendeiros vende a produção para intermediários conhecidos como queijeiros. Uma pequena parte é consumida na própria região. Ultimamente, vários produtores fazem também uma venda direta aos turistas, obtendo melhores preços.

Produção e distribuição

Cerca de 80 por cento da produção de queijo Canastra é distribuída no Estado de São Paulo, especialmente na capital e Grande São Paulo. Um destino ingrato para um produto nobre: a maior parte vai parar na vala comum das fábricas de pão-de-queijo, misturada sem nenhum critério a queijos de variadas procedências. Outra parte vai para mercadinhos de segunda linha. Isso acontece porque, a rigor, o queijo Canastra é um fora-da-lei. No Brasil, oficialmente, é proibido produzir queijo de leite cru. As entidades de produtores tentam resolver esse problema através de um programa para adequar a produção a determinadas normas sanitárias, um sistema de certificação (pelo governo mineiro) e, futuramente, a uma denominação de origem controlada.

Com isso, os produtores esperam que a lei mude, tirando da clandestinidade o queijo Canastra e outros queijos artesanais.

Para chegar lá, os produtores da Canastra fazem intercâmbio até com uma ONG da França,país onde se fazem os melhores queijos artesanais do mundo e muitos deles também produzidos a partir do leite in natura. Há também o Programa de Melhoria do Queijo Minas Artesanal, lançado em 2000 pelo governo de Minas. Em conseqüência dele, o queijo do Serro, da Serra do Espinhaço (outra região produtora importante), foi declarado patrimônio cultural pelo IEPHAN, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais. O queijo Canastra deve ser o próximo da lista.

Segundo dados do Ministério da Agricultura, cinqüenta por cento de todo o queijo consumido no Brasil saem de Minas Gerais. Os quatro tipos principais são, por volume de produção: o Frescal, o Minas, o do Serro e o da Canastra. No projeto piloto da denominação de origem controlada, a região do Canastra engloba quatro municípios: São Roque de Minas, Medeiros, Bambuí, Vargem Bonita e Piumhi. A produção do Canastra chega a 3 mil toneladas/ano e o número de produtores passa de mil.

Legislação estadual relacionada ao queijo Canastra: Lei 14.185/02 – Decreto 42.645/02 – Portaria Emater 546/02




O QUEIJO DA CANASTRA

Dois séculos de tradição e muitas história pra contar

PATRIMÔNIO CULTURAL

Dizem os antigos que o nosso queijo veio lá de Portugal. Também dizem que os tropeiros trouxeram o queijo em suas travessias. O que sabemos é que aqui se aprende a fazer queijo desde menino. Antigamente, nossos avós faziam queijo só para o sustento da família. Aos poucos o queijo começou a ser vendido em outros vilarejos perto daqui. Para não amassar, o queijo só podia viajar com mais de 30 dias de cura, quando já estava mais firme e amarelado.

É por isso que o queijo tradicional da Canastra ficou conhecido por ter uma casca amarela por fora e por ser macio e saboroso por dentro. Hoje, o Queijo da Canastra ficou tão famoso que o seu modo de produção é reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio cultural imaterial brasileiro, desde 2008.


Modo de Produção

Aqui na Região do Queijo da Canastra ainda fazemos o queijo do mesmo jeito, mantendo uma tradição de mais de 200 anos. Seguimos as normas e boas práticas exigidas para a produção de queijo artesanal para garantir um produto de alta qualidade.

Leite Puro

Nosso queijo é feito do leite de vacas que nascem e vivem livres no campo, se alimentando de pastagem natural. Ele é feito com leite cru, não usamos leite pasteurizado. Fazemos só uma ordenha por dia, na parte da manhã. Quem lucra o leite da tarde são os bezerros.

Pingo

Depois do coalho, é hora de colocar o pingo, um fermento natural feito por nós produtores. É assim: nós pegamos o soro que escorre dos queijos que estão descansando e usamos como fermento na produção do dia seguinte. Isso contribui para que o queijo de cada produtor seja diferente um do outro, porque cada um usa o seu próprio pingo.

Sal a gosto

Já com a massa na forma é hora de cada produtor dar o seu toque especial no tempero do queijo. Usamos só o sal grosso e mais nada. A quantidade de sal é que vai fazer a diferença. Após o sal, chega a hora de “grosar” o queijo. Nessa parte do processo, lixamos cada peça por fora para fazer o acabamento.

Precisa de Tempo

Para conseguir o sabor, a textura, a coloração do tradicional Queijo da Canastra, colocamos cada queijo na tábua de maturação até ele curar. Assim ele ganha a sua identidade. O segredo nessa parte é virar o queijo todos os dias para que ele cure por igual dos dois lados.


Maturação

O sabor do legítimo Queijo da Canastra precisa de tempo para aparecer.

Queijo Fresco

É um queijo bem novo, com sabor de leite fresco e textura macia que derrete na boca. Muito apreciado no café da manhã, na hora do lanche ou com doce de leite.

Queijo Meia Cura

O meia cura é um queijo com mais ou menos dez dias de maturação. Seu sabor é perfeito para acompanhar um cafezinho coado na hora ou para comer uma deliciosa goiabada cascão.

Queijo Curado

É o queijo da Canastra como era antigamente. Com mais de 22 dias de maturação, tem sabor marcante, perfeito para uso na gastronomia e para acompanhar vinhos e cervejas especiais. Hoje é o único que pode ser comercializado com o selo da IP Canastra.


Tamanho dos Queijos

Queijo da Canastra é um só. O que muda é o tamanho e o sabor de produtor para produtor.

Queijo Merendeiro

Esse é o menor queijo feito aqui.

Queijo Canastra

O tradicional Queijo da Canastra, que pesa cerca de 1 quilo.

Queijo Canastra Real

Pesa de 5 a 6 quilos e precisa de um tempo maior de cura.


18 comentários

  1. Bruno Squillante

    Primeiramente um Excelente Dia.

    Deixa eu me apresentar: Meu nome é *Bruno Squillante*, sou fundador do _Squillante Cheese’s_, distribuidor Autônomo de Queijos e Doces Mineiros.

    Estou há mais de *1 ano* vendendo pela *Internet, Porta a Porta e In Company* os melhores Queijos e Doces Mineiros de inúmeras regiões.

    Tenho diversos fornecedores, porém um *Grande Parceiro e Amigo*, pequeno Produtor de Queijos no Sul de Minas Gerais (Machado-MG) que me ajuda, enviando *30 Peças de Queijos Variados em Consignação.*

    Além de outros *5 Parceiros* que me enviam em Consignação:

    *Elzinha da Fazenda Trilha da Pedra* (Queijos da Canastra – São Roque de Minas)

    *João da Fazenda 4 Irmãos* (Queijos da Canastra – São Roque de Minas)

    *Clayton da Fazenda da Barra* (Queijos da Canastra – São Roque de Minas)

    *Hugo do Apiário Fonseca* (Méis Orgânicos de Eucalipto – Formiga MG)

    Os pagamentos são realizado após as vendas, *Sem Atrasos e Rigorosamente como Combinado*

    Sinto a extrema necessidade de ampliar meus fornecedores *(Parceiros – Amigos)* e unidos, fecharmos grandes negócios.

    Observações: *Há possibilidade de trabalharmos em Consignação?*
    Dessa Forma☝️

    *Espero que sim, caso seja possível*, favor enviar: *Fotos Reais, Pesagem, o Menor Valor Unitário e se realiza a Entrega em São Paulo, CEP: 08465-009*

    Segue meu Whatsapp 11 95499-4554.

    • Olá Bruno,

      Não trabalhamos com consignação. Nossas vendas acontecem pelo nosso site (loja.serradacanastra.com.br/) onde o cliente escolhe o produto, realiza o pagamento e enviamos via SEDEX ou em nossa cafeteria, anexo a Tamanduá Ecoturismo presencialmente. Caso tenha interesse, será um prazer atender você.

  2. QUERO COMPRAR ESTES QUEIJOS PARA REVENDER AQUI NA MINHA REGIÃO, MORO NA REGIÃO DE PORTO SEGURO, SUL DA BAHIA

    • Olá Dalva,

      Trabalhamos os produtores divulgados em nossa loja virtual (loja.serradacanastra.com.br). Aguardo seu contato via WhatsApp 37 988446618.

  3. jose amante garbelini

    favor informar produtores CONFIÁVEIS que despacham para Cianorte parana?

    • Olá José!

      Você ponde adquirir queijos através do nosso site loja.serradacanastra.com.br, enviamos para todo o Brasil. São todos de excelentes produtores, afiliados a APROCAN. Tenho certeza que vai gostar!

  4. Lineu Jose de Oliveira Soares

    Gostaria de comprar via Internet, com pagamento de depósito bancario, queijos verdadeiros da Serra da canastra. Como conseguir?

    • Olá Lineu, tudo bem?

      Este é o nosso site loja.serradacanastra.com.br. São queijos de excelentes produtores, afiliados a APROCAN, enviamos para todo o Brasil. Tenho certeza que vai gostar!

  5. Douglas Carlos Aun

    Bom Dia
    Gostaria de saber se vcs fazem o queijo Gouda,se não o endereço de alguem faz.Caso vcs fazem gosataria de saber quanto custa e quanto pesa a forma,e se vendem para um consumidor.Pois aqui vendem muito caro.

    • Oi Douglas

      Trabalhamos com o Queijo Canastra, você consegue comprar através do nosso site loja.serradacanastra.com.br.

  6. Como chegar a serra da canastra para comprar os produtos de vcs

    • Estamos em São Roque de Minas, no sudoeste de Minas, região de Passos e Piumhi. Para quem vem de Belo Horizonte ou de São Paulo, o acesso principal é pela rodovia MG-050. Se precisar de mais informações, entre em contato por e-mail ou telefone.
      Abs.

  7. Boa Noite! Ganhei de presente o Queijo Minas Artesanal São Roque Canastra e não sei como devo consumir e guardar pois ele é avaco e tem bastante líquido.

    • Olá. Talvez não seja um legítimo canastra… O canastra deve ser curado fora da geladeira, sem embalagem, em contato com o ar, temperatura ambiente. Você só precisa virá-lo uma vez por dia. Usamos a embalagem apenas para transporte. Ela deve ser retirada assim que possível para a cura natural.

      • Boa noite, ganhei um queijo que veio de minas ontem, porém ficou na embalagem de transporte de ontem para hoje. Será que estragou? O queijo tem cheiro forte? Obrigada

        • Olá. Se for um queijo da canastra artesanal, não estragou não. Se ficou abafado em embalagem plástica, é só lavar e deixar secar. O queijo da canastra tem cheiro forte, mas não desagradável. Você deve deixá-lo em temperatura ambiente e virá-lo de lado uma vez ao dia. E conservá-lo assim durante meses. À medida que envelhece fica mais duro e adquire um sabor mais forte, mais picante.

  8. Claudio Costa

    Boa noite, fiquei muito feliz com toda dissertação sobre essa maravilha! tenho comprado o queijo canastra de um produtor regional da serra que conseguiu selo do SIF e posso dizer que é um dos melhores da região.Tenho usado a técnica de depois de aberto pois o mesmo vem pra mim no parana envasado à vaco.Após aberto parto-o em quatro partes para consumo embrulho em plastico filme as partes que não vou consumir de imediato e os guardo na geladeira sob o congelador.O queijo tem durado por aproximadamente seis meses tendo o sabor preservado e indo para mais tenroso mas com a mesma excelência.

    • Olá, Claudio.
      O autêntico canastra não vai à geladeira e não tem prazo de validade. Você pode deixar curar e consumir por tempo indeterminado. Quanto mais velho, mais duro, mais picante e mais saboroso ele fica! Experimente deixar em local fresco e seco, pendurado em tela plástica daquelas de guardar laranja ou sobre um prato ou madeira tomando o cuidado de virar de lado uma vez por dia. Ele vai envelhecendo e você pode consumir aos poucos. Acho que tem como você receber numa embalagem que deixa respirar. Se quiser, podemos ver qual o produtor e despachar pra você. Abraços.
      Anael de Souza

Deixe uma resposta para Anael Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Posso ajudar?